11 de jun de 2007

CORREDOR DE INCERTEZAS

Corro
Olhar nos teus olhos, socorro
D' alma muito ainda é preciso explicar
Se de amores sobrevive o mais pobre homem
Mais pobre será quando o amor encontrar

Sou um tigre riscando o chão reluzente
Um mico enrolado no galho mais baixo
Garra e pêlos desejam atacar
Prometeu-me o mundo, o céu e as estrelas
Plantou em mim velhas incertezas
Que comprei caro e não vou barganhar

Corro
Tormenta do amor proibido, socorro
Pobre de mim que não sei nadar
Bater braços e pernas prendendo o fôlego
E longe de ti o descanço encontrar


Ferina * Karolina B

2 comentários:

izil disse...

Amei suas poesia, seja bem vinda ao nosso grupo.
abraços

Henrique Correia disse...

Por acaso não gosto muito do texto dos poemas centrado, mas a escrita é boa, parabéns.