27 de dez de 2007

SONHOS, UTOPIAS


Ele já nem sabe mais
como está a sua vida
Nem vontade tem de vive – lá
Tão intenso passado, agora tão cansado
Tanta liberdade, agora engaiolado
Tantos cantos felizes, agora a canção
do aprisionado
Aprisionado por convenções...
ou conveniência
Ou será por um amor tão forte
que não deve nem pode ser... rompido
Vive a vida forçando sorrisos
Não sabe mais se, ata ou desata
A realidade vivida, talvez seja cruel!
A imaginada é somente de sonhos,
Amores utópicos
Tudo fuga, tudo ilusão
para levar a vida com menos
solidão...
assim vai enganando a vida, a si
e a outros
E assim se realiza
Imagina-se feliz!
.
Ferina *izil*

Um comentário:

Anônimo disse...

você me descreve com precisão, mas se engana em alguns pontos...
amo vc e por vc moverei um dia montanhas...
prometo...