14 de nov de 2011

CARÊNCIAS


E me vejo criança
triste, acuada,
indefesa, assustada,
no mundo perdida,
a espera de alguém
que num instante breve,
em seu colo me leve
e me faça dormir
num certo aconchego
de carinho e compreensão
que nunca tive...
Nunca fui livre,
não encontrei
o que procurei,
inútil esperança,
sonho de criança,
quase tudo se foi,
ficou um sorriso
que disfarça a tristeza
e esconde a verdade:
não tenho quem amo...
.
Suely Ribella ©

Nenhum comentário: