18 de jul de 2009

AI MEU AMOR



Ai meu amor
Imagino que a chuva inunda meus olhos
Com imagens recortadas dos teus passos

Ai meu amor
Quantas dúvidas nascem todos os dias
Na esperança de erigir paisagens sadias

Ai meu amor
Nem sei se ainda existes no término da luz
Vislumbro apenas o sinal de uma cruz

Ai meu amor
Diz-me o meu coração que partiste sem eu saber
Enquanto te gabava a essência do teu ser

Ai meu amor
Deixei o meu sentimento a marinar
Para um dia ter tempo para te amar

Ai meu amor
Partiste assim de repente e sem me avisar
Enquanto eu conjugava o verbo (saber) amar

Ai meu amor
Que levaste contigo tudo o que reluzia
E o livro colorido que do amor entendia

Ai meu amor
Que não te quero mais perto do meu mar
Aonde os meus barcos partem para navegar

Ai meu amor
Quantas saudades ficaram por chorar
No instante em que não podias amar

Ai meu amor
Deixa que eu parta para outro mundo
Pois aqui o afecto já bateu no fundo

Atit Ordep

Foto de Suzana Camões

Nenhum comentário: