3 de fev de 2010

ESPREITO POR UMA FRINCHA


espreito por uma frincha
as curvas do teu corpo

sinto o verão chegar
o corpo a transpirar

vejo as cores
e os contornos
da carne sinuosa
apertada por arames e fechos
fáceis de desapertar

espreito o passado
dentro da roupa apertada

por uma frincha
recordo as tardes mornas
sem roupa

Atit Ordep

Foto de Nuno Monteiro

Post-scriptum – Um botão desapertado diz mais ao amante que uma mulher toda nua.

Nenhum comentário: