26 de abr de 2010

TRAVESSA DO FALA-SÓ


na travessa do fala-só
vive uma alma solitária
que vendeu o futuro
por uma promessa imaginária

fala com os seus botões
para manter o discurso fluido
enquanto aguarda pela volta
do seu amor perdido

faz discursos de silêncio
promessas de perdão eterno
para as maldades da vida
aceites com um sorriso terno

na travessa do fala-só
vive um homem amargurado
pelas traições do seu amor
mas vive ainda apaixonado

espera que ela volte um dia
talvez a coberto do nevoeiro
e sorri como um miúdo
que vive o amor primeiro

a espera não o cansa
ainda acredita num milagre
e lê as entranhas dos animais
na busca de um fim alegre

na travessa do fala-só
passa o elevador da glória
que sobe e desce uma vida inteira
e só traz pessoas sem história

apenas o seu grande amor
parece que de si não tem dó
choro pelo homem que vive
na travessa do fala-só

Atit Ordep

2 comentários:

Ferina*izil* disse...

Adorei esta poesia...

Machado de Carlos disse...

Felicidade?!

Alegria, meus ais reclamam tua volta,
O corpo estendido está muito doente!
Ah! Se tu soubesses o que a alma sente!
A distância... O tempo... Nada me importa!...

A obsessão não deixa a vida solta;
As pedradas feriram realmente!
Só eu sei o que o meu coração sente;
Caminho... Passos lentos... Sem revolta!...

Não é fácil a rotina triste,
Ela chegou com seu dedo em riste;
E, virou as costas... Sem perdão!

Sigo a rota. O objetivo sagrado,
Mais um sonho foi malogrado!
Os dias morrem na mesma solidão!...


Machado de Carlos