15 de set de 2012

ENFIM CHEGAMOS



esse constrangimento

sao rachaduras no castelo
que foi belo enquanto novo

decorado pelo tempo, cores negras
borboletas no jardim
aqui nao voam (nunca mais?)

as cortinas nao balançam
a poeira é tao pesada
entao calada, fica, sobrevive

portas, ainda ricas, nos detalhes
mil memórias douradas vejo
mesmo de olhos fechados

enquanto ando o assoalho range
nossas dores se encontram
na solidão somos como iguais

enfim chegamos e como humanos
sobrevivemos, e como poeira
nos movemos para depois assentar

Ferina * Karolina B

Nenhum comentário: