25 de jun de 2008

NOITE MALDITA


A madrugada veste
o morto profano
Espalha suas teias
prendendo os incautos.
Na escuridão dos estreitos,
espreitam-se aqueles
que possuem veneno.
Tudo dilaceram
com sua fome de pecado.
São profanos, são obscuros.
Crimes e batalhas são
travados nas sombras.
Assim é a noite maldita
Cruel, crua e nua.
Sem mascarás
Sem luz
Sem lua
.
Ferina *izil*
foto de Vitor Cid

Um comentário:

Nanda Assis. disse...

Izil amiga, vc sabe o que faz... tudo que escreve me emociona, qria muito ter sua competencia...
depois lhe enviarei um e-mail.
bjossss