15 de jul de 2007

À NOITE


É na escuridão da
noite que a vida
explode sem pudor
É no calar da noite
onde há mais gritos
abafados, sussurros,
murmúrios.
É quando todas
as máscaras caem
É quando as verdades
são reveladas
É nos cantos, becos,
quartos, esquinas
Onde tudo pode
Onde tudo acontece
Onde nada é pecado
Onde nada é proibido
.
Ferina*izil*
Foto Kazuo Okubo

2 comentários:

Anônimo disse...

es divinal mais um grande poema






joão

Henrique Correia disse...

Que bom quando nada é proibido.
Um poema muito quente, não?