7 de out de 2008

MINHA TRISTEZA


A tristeza habita em mim
Nasci com ela, como se
nasce com uma deficiência
Por mais que eu me esforce
ela não desaparece
Todas as manhãs
com chuva ou com sol
ao acordar me deparo com ela
Não é uma coisa que eu goste
eu a odeio
Luto todas as manhãs para
ela sumir
mas não consigo me livrar
Ela se faz presente
povoando minha mente
transformando minhas feições
Penso em mil possibilidades
de existir sem ela
mas não vou de encontro
com nenhuma
acho que acostumei-me
com a maldita tristeza
.
Ferina*izil*

Um comentário:

Juan disse...

Izil

Es lindo el poema, pero un poco triste. Pero a veces la vida es así.

Dolor
Tristeza
Pesar
Cada mañana
cada tarde
cada noche.
Luto
en el alma.
No te acostumbres
a adornarla
con la maldita
tristeza.

Un abrazo.

Juan Antonio