1 de nov de 2008

DIGA, MÃE



Não quero te ver, minha filha

Na fragilidade de menina

Que separou o melhor perfume

E vestiu as mais belas pétalas

Para depois ser amassada

Nas mãos de um destino

Um quase homem vingativo

Rogando em ti a sorte

De ser como as mulheres

Que sofrem por amor

E logo perecem na dor

Nada disso Deus lhe permita

Pois te amo, minha filha



(Ferina* Karolina B)

[Link original da photo]

Um comentário:

Pedro Berocan disse...

A mãe sempre protege
Não que ver a filha sofrer
O que já sofreu
:*