18 de jun de 2009

CONTEMPLAÇÃO




eu pensei, para o nada existisse
um rosto igual como era o meu
do amor as dores, feitos e defeitos
eu imaginava apenas, bom devia ser

virava páginas e do amor buscava
comia as traças e as letras apagadas
de um livro que contava sem acontecer

Eu sabia, estava mesmo era presa
Entre um parágrafo e a incerteza
de encontrar o meu instante eterno
e de um rosto igual como era o meu

ter a mão que o afagasse lento
e eu soubesse que era assim, que bom
como o pássaro voando ao tempo

Ferina*KarolinaB

Nenhum comentário: