23 de mai de 2010

SILÊNCIO


Por vezes me desoriento
fico perdida sem amparo
Preciso de um abraço,
um afago, você não está
Fico quieta, silêncio...
fico louca, te ignoro
te ataco, te firo
te maltrato
Mas você não está,
nada vê, nada sente
não percebe minha carência
minha amargura.
Você se recolhe em
sua doce vida, e me
larga, me abandona.
.
Ferina*izil*
poesia criada em 08/07/2007

Um comentário:

Solange disse...

parabéns.. gostei muito..
bjs.