18 de nov de 2010

NO FIM


corto os pulsos
quando a inércia das pedras
colocadas no lugar do teu coração
ficam mudas de medo
deixo-me esvair em remorso
por te ter querido
agora ou logo
os fluidos derramados
verterão sobre as terras baldias
as ervas daninhas
os escaravelhos
e os cães vadios
reciclarão o que restar
da minha paixão demente
Atit Ordep
Foto de José Eustáquio

Um comentário:

Ferina*izil* disse...

Adorei...
Já pode escrever um livro :-)