30 de set de 2013

HOJE UM VERSO SOLTO



Parece um poeta calado
Parado no verso
O fim do homem sombrio
Imagino que finalmente
Depois da morte
Ele está sonhando
Tornou-se o céu
O vento ou chuva
Doce e fininha
Ele está serenando
Nos cabelos e ombros
de quem ouve falar
"Quem era mesmo?"
"Que pena, tão novo"
"Tão inteligente"
Era um homem
Homem sem rosto
Ontem, notícia curta
Hoje, um verso solto
Na chuva fininha
Tornou-se menos sombrio
Depois de deixar o corpo
Junto ao rosto
Nas Nuvens

Ferina * Karolina B

Nenhum comentário: