31 de ago de 2013

FALANDO COM O PAPEL

Estou aqui de novo,
sofrida, calada, abandonada,
sofrimento imposto por convicções,
calada por não ter mais com quem falar,
abandonada por não ter amigos reais
Mas sei como sofre um poeta,
quanto cessam as emoções
nenhuma palavra mais consegue
escrever, nada mais tem rima,
coerência, importância
Mas tudo passa neste mundo de doido
e aos poucos estou retornando,
feliz por de novo escrever para
as feras feridas, assim como eu.
Cá estou eu de volta no mundo
das palavras, voltei a falar
com o papel.
Ferina Izil

Nenhum comentário: