6 de mar de 2011

O AMOR NA TRINCHEIRA



É difícil admitir
mas foi a guerra
que eu perdi
nas batalhas perdidas
pra você e para mim

Um soldado abatido
sem honras desse amor
minhas armadilhas
foram desativadas
e as minhas armas
hoje são brinquedos
nas suas mãos

Não adianta insistir
na espera de um resgate
pois meu coração reconhece
que esse é o nosso fim
Sempre estivemos
de lados opostos
e como inimigos declarados
só podíamos terminar assim

E se um dia
na fronteira te encontrar
não pense duas vezes
me faça de alvo
mire bem e acerte
não me poupe

Pois nessa guerra
de mil e um extremos
entenda
eu mesma me machuco
pra não ter
que te ferir

Ferina * Karolina B

Um comentário:

Evanir disse...

Nossa um lindo poema!!!!
E só eu estou aqui para comentar tanto carinho e ternura em uma pessoa só.
Um deslumbrante poema parabens beijos feliz semana ,Evanir.
http://aviagem1.blogspot.com/